Welcome!

News Feed Item

General Cable anuncia revisão de alternativas estratégicas para maximizar o valor a acionistas

A General Cable Corporation (NYSE: BGC), líder no desenvolvimento, projeto, fabricação, marketing e distribuição de fios de cobre, alumínio e fibra ótica bem como produtos de cabos para mercados de energia, industriais e de comunicações, anunciou hoje que seu Conselho de Diretores iniciou uma revisão de alternativas estratégicas a fim de maximizar o valor a acionistas, incluindo uma venda potencial da Empresa. A Empresa contratou a J.P. Morgan Securities LLC como consultora financeira e a Sullivan & Cromwell LLP como consultora jurídica para dar assistência no processo.

John E. Welsh, III, presidente não executivo do Conselho, disse, "Após cuidadosa consideração, nosso Conselho determinou empreender uma revisão de alternativas estratégicas com a meta de maximizar o valor a acionistas. Enquanto a equipe administrativa fizer um excelente progresso na execução de nosso roteiro estratégico para transformar a Empresa em uma organização mais focada, eficiente e inovadora, esperamos que a indústria se consolide ao longo do tempo e acreditamos que a revisão neste período esteja no melhor dos interesses dos acionistas."

Michael T. McDonnell, presidente e diretor executivo, disse, "Estou orgulhoso dos esforços de nossas pessoas em transformar nossos negócios durante os últimos dois anos, incluindo a racionalização da base de ativos e o novo foco em negócios centrais, simplificando nossa cadeira de fornecimento e acelerando o crescimento rentável em segmentos chave. Enquanto estivermos nos beneficiando destas significativas melhorias de desempenho operacional e financeiro, as dinâmicas atuais em nossa indústria estão mascarando estas realizações, e esperamos que tal tendência continue durante o segundo semestre de 2017 e em 2018. Uma vez que o Conselho conduz sua revisão, permanecemos comprometidos em executar nosso plano, a fim de competir e continuar a fornecer soluções inovadores em fios e cabos que excedem as expectativas de clientes."

Não pode haver garantia que a revisão estratégica do conselho irá resultar em alguma transação, ou alguma garantia quanto ao seu resultado ou momento. A Empresa não pretende divulgar ou comentar sobre desenvolvimentos relacionados à sua revisão, a menos que e até que o Conselho tenha aprovado uma transação específica ou, por outro lado, determinado que a divulgação posterior seja apropriada.

A Empresa também anunciou hoje resultados financeiros preliminares para o segundo trimestre finalizado em 30 de junho de 2017. A Empresa espera registrar receitas de cerca de US$ 923 milhões na América do Norte, Europa e América Latina. A Empresa também espera registrar uma perda operacional e um lucro operacional ajustado para o segundo trimestre de cerca de (US$ 23) milhões e US$ 32 milhões, respectivamente. A perda operacional esperada e registrada reflete principalmente um ônus único sem caixa de cerca de US$ 36 milhões relacionados à venda de investimentos da Empresa na Argélia, que foi alienado de modo consistente com o programa de alienação anunciado previamente pela Empresa. Uma reconciliação da perda operacional registrada para o lucro operacional ajustado está demonstrado abaixo. Além disto, a partir de 30 de junho, a Empresa manteve a disponibilidade de cerca de US$ 360 milhões sob seus recursos de crédito rotativo baseado em ativos de US$ 700 milhões.

As demonstrações financeiras intermediárias da Empresa para os três meses finalizados em 30 de junho de 2017 ainda não estão disponíveis. A informação financeira preliminar não auditada para o trimestre finalizado em 30 de junho de 2017 apresentada aqui está baseada unicamente nas estimativas administrativas refletindo a informação preliminar disponível atualmente e permanece sujeita ao encerramento habitual da Empresa e processos de revisão. Ajustes financeiros e outros desenvolvimentos de materiais podem surgir entre a data deste comunicado de imprensa e a data que a Empresa anuncia resultados no segundo trimestre de 2017 e apresenta seu Relatório Trimestral no Formulário 10-Q com a Comissão de Valores Mobiliários.

A Empresa planeja registrar resultados no segundo trimestre de 2017 em um comunicado de imprensa em 2 de agosto de 2017.

Medidas financeiras não-GAAP

O resultado operacional ajustado (definido como resultado operacional antes do ônus extraordinário, não recorrente ou incomum e outros certos itens) é uma "medida financeira não-GAAP" (sem princípios contábeis geralmente aceitos) conforme definido sob as regras da Comissão de Valores Mobiliários.

Esta medida financeira não-GAAP definida pela Empresa exclui dos resultados registrados aqueles itens que a administração acredita não ser indicativa de nosso desempenho em curso, sendo fornecidos aqui devido à administração acreditar que eles são úteis na análise do desempenho operacional de negócios e consistentes com como nossa administração analisa nossos resultados operacionais e as tendências subjacentes de negócios. O uso desta medida não-GAAP pode ser inconsistente com medidas similares apresentadas por outras empresas e apenas deve ser utilizada em conjunto com os resultados da Empresa registrados conforme os princípios contábeis geralmente aceitos.

A reconciliação a seguir entre o lucro operacional registrado e estimado preliminarmente e o lucro operacional ajustado para o segundo trimestre de 2017 contém informação prospectiva. Toda a informação prospectiva envolve riscos e incertezas. Resultados reais podem diferir materialmente daqueles contemplados pela informação prospectiva como resultado de fatores, riscos e incertezas, em muitos dos quais não temos controle. Veja "Declaração de Cautela Referente às Declarações Prospectivas" no fim deste comunicado de imprensa.

       
Secundo Trimestre
Perspectiva 2017
Em milhões Lucro (Perda)

Operacional

Registrado e estimado preliminarmente US$ (23,0 )
Ajustes para reconciliar o lucro operacional
Custos de restruturação e alienação(1) 13,0
Ásia Pacífico e África (lucro)/perda(2)   42,0  
Ajustes totais   55,0  
Ajustado e estimado preliminarmente US$ 32,0  
 
(1)   Custos refletidos e estimados preliminarmente de restruturação e alienação que representam custos associados com os programas de restruturação e alienação anunciados pela Empresa. Exemplos consistem em, mas não estão limitados a, custos de desligamento de empregados, depreciações de ativos, depreciação acelerada, depreciações de capital de giro, relocação de equipamentos, rescisão de contrato, taxas de consultoria e custos legais incorridos como resultado de programas. A empresa se ajusta a estes ônus, uma vez que a administração acredita que estes custos não irão continuar na conclusão dos programas de restruturação e alienação.
(2) A perda esperada da Ásia Pacífico e África de cerda de US$ 42 milhões consiste principalmente em cerca de US$ 36 milhões de ônus sem caixa em conexão com a venda da Empresa de seu investimento na Argélia de cerca de US$ 5 milhões de outro ônus único sem caixa associado com investimentos mantidos pela Empresa na África e Ásia Pacífico.
 

Sobre a General Cable

A General Cable (NYSE:BGC) é líder global no desenvolvimento, projeto, fabricação, marketing e distribuição de fios de cobre, alumínio e fibra ótica bem como produtos de cabos para mercados de energia, industriais e de comunicações. Para mais informação sobre a General Cable, visite nosso site em www.generalcable.com.

Declaração de Cautela Referente às Declarações Prospectivas

Certas declarações neste comunicado de imprensa são declarações prospectivas que envolvem riscos e incertezas, preveem ou descrevem eventos futuros ou tendências e que não se relacionam unicamente a fatos históricos dentro do significado da Lei de Reforma de Litígios de Valores Mobiliários de 1995. Tais declarações incluem, mas não estão limitadas a, declarações referentes ao processo da Empresa de revisar alternativas estratégicas e sua capacidade de maximizar o valor a acionistas através de tal processo. Palavras como "acreditar", "esperar", "poder", "querer", "antecipar", "pretender", "estimar", "projetar", "planejar", "assumir", "procurar" ou outras expressões similares ou a negativa destas expressões, embora nem todas declarações prospectivas, são utilizadas para identificar estas declarações prospectivas. Resultados reais podem diferir materialmente daqueles discutidos nas declarações prospectivas como resultado de fatores, riscos e incertezas, em muitos dos quais não temos controle. Com respeito à revisão da Empresa de alternativas estratégicas, não há garantia que o processo irá resultar em alguma transação ou outra ação pela Empresa, que alguma transação ou outra ação será consumada, ou que alguma transação ou outra ação irá maximizar o valor a acionistas. Estes fatores, riscos e incertezas incluem, mas não estão limitados a: poder econômico e natureza competitiva de mercados geográficos que a Empresa presta serviço; a habilidade da Empresa de aumentar a capacidade de fabricação e a produtividade; a capacidade da Empresa de aumentar seus preços de venda durante períodos de elevação dos custos de matéria-prima; a habilidade da Empresa à prestação de serviço, e satisfazer todos os requisitos, sob dívida da empresa, e manter adequados recursos de crédito nacional e internacional bem como linhas de crédito; a habilidade da Empresa de estabelecer e manter controles internos; o impacto de futuros julgamentos inesperados ou liquidações de reclamações e litígios; o impacto de flutuações da taxa de câmbio de moeda estrangeira; o impacto de futuros ônus de prejuízos; conformidade com as leis dos EUA e estrangeiras, incluído a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior; a capacidade da Empresa de obter economias antecipadas de custos, eficiências e outros benefícios relacionados ao programa de restruturação da Empresa e outras iniciativas estratégicas, incluindo o plano da Empresa de sair de todas suas operações na Ásia Pacífico e África; o impacto do anúncio de revisão de alternativas estratégicas nos negócios da Empresa, seus resultados financeiros e operacionais e seus empregados e clientes; fatores afetando a viabilidade e o momento de alguma transação ou outra ação; a habilidade de identificar e encerrar alguma transação; riscos relacionados a realização de benefícios esperados de qualquer transação ou outra ação à Empresa e seus acionistas; e outros riscos detalhados de tempos em tempos na apresentação da Empresa à Comissão de Valores Mobiliários ("SEC"), incluindo, mas não limitado a, seu relatório anual no Formulário 10-K apresentado à SEC em 24 de fevereiro de 2017, e subsequentes apresentações à SEC. Você é advertido a não depositar confiança indevida nestas declarações prospectivas. Todas as declarações prospectivas contidas neste comunicado de imprensa valem apenas a partir da data na qual elas foram feitas, sendo que a Empresa não empreende, e por este meio renuncia, qualquer obrigação, a não ser requerida a agir assim por leis aplicáveis de valores mobiliários, a fim de atualizar quaisquer declarações prospectivas como resultado de novas informações, futuros eventos ou outros fatores.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

More Stories By Business Wire

Copyright © 2009 Business Wire. All rights reserved. Republication or redistribution of Business Wire content is expressly prohibited without the prior written consent of Business Wire. Business Wire shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Latest Stories
DX World EXPO, LLC, a Lighthouse Point, Florida-based startup trade show producer and the creator of "DXWorldEXPO® - Digital Transformation Conference & Expo" has announced its executive management team. The team is headed by Levent Selamoglu, who has been named CEO. "Now is the time for a truly global DX event, to bring together the leading minds from the technology world in a conversation about Digital Transformation," he said in making the announcement.
"Space Monkey by Vivent Smart Home is a product that is a distributed cloud-based edge storage network. Vivent Smart Home, our parent company, is a smart home provider that places a lot of hard drives across homes in North America," explained JT Olds, Director of Engineering, and Brandon Crowfeather, Product Manager, at Vivint Smart Home, in this SYS-CON.tv interview at @ThingsExpo, held Oct 31 – Nov 2, 2017, at the Santa Clara Convention Center in Santa Clara, CA.
DevOps is under attack because developers don’t want to mess with infrastructure. They will happily own their code into production, but want to use platforms instead of raw automation. That’s changing the landscape that we understand as DevOps with both architecture concepts (CloudNative) and process redefinition (SRE). Rob Hirschfeld’s recent work in Kubernetes operations has led to the conclusion that containers and related platforms have changed the way we should be thinking about DevOps and...
SYS-CON Events announced today that Conference Guru has been named “Media Sponsor” of the 22nd International Cloud Expo, which will take place on June 5-7, 2018, at the Javits Center in New York, NY. A valuable conference experience generates new contacts, sales leads, potential strategic partners and potential investors; helps gather competitive intelligence and even provides inspiration for new products and services. Conference Guru works with conference organizers to pass great deals to gre...
The Internet of Things will challenge the status quo of how IT and development organizations operate. Or will it? Certainly the fog layer of IoT requires special insights about data ontology, security and transactional integrity. But the developmental challenges are the same: People, Process and Platform. In his session at @ThingsExpo, Craig Sproule, CEO of Metavine, demonstrated how to move beyond today's coding paradigm and shared the must-have mindsets for removing complexity from the develop...
In his Opening Keynote at 21st Cloud Expo, John Considine, General Manager of IBM Cloud Infrastructure, led attendees through the exciting evolution of the cloud. He looked at this major disruption from the perspective of technology, business models, and what this means for enterprises of all sizes. John Considine is General Manager of Cloud Infrastructure Services at IBM. In that role he is responsible for leading IBM’s public cloud infrastructure including strategy, development, and offering m...
Companies are harnessing data in ways we once associated with science fiction. Analysts have access to a plethora of visualization and reporting tools, but considering the vast amount of data businesses collect and limitations of CPUs, end users are forced to design their structures and systems with limitations. Until now. As the cloud toolkit to analyze data has evolved, GPUs have stepped in to massively parallel SQL, visualization and machine learning.
The next XaaS is CICDaaS. Why? Because CICD saves developers a huge amount of time. CD is an especially great option for projects that require multiple and frequent contributions to be integrated. But… securing CICD best practices is an emerging, essential, yet little understood practice for DevOps teams and their Cloud Service Providers. The only way to get CICD to work in a highly secure environment takes collaboration, patience and persistence. Building CICD in the cloud requires rigorous ar...
"Evatronix provides design services to companies that need to integrate the IoT technology in their products but they don't necessarily have the expertise, knowledge and design team to do so," explained Adam Morawiec, VP of Business Development at Evatronix, in this SYS-CON.tv interview at @ThingsExpo, held Oct 31 – Nov 2, 2017, at the Santa Clara Convention Center in Santa Clara, CA.
To get the most out of their data, successful companies are not focusing on queries and data lakes, they are actively integrating analytics into their operations with a data-first application development approach. Real-time adjustments to improve revenues, reduce costs, or mitigate risk rely on applications that minimize latency on a variety of data sources. In his session at @BigDataExpo, Jack Norris, Senior Vice President, Data and Applications at MapR Technologies, reviewed best practices to ...
Widespread fragmentation is stalling the growth of the IIoT and making it difficult for partners to work together. The number of software platforms, apps, hardware and connectivity standards is creating paralysis among businesses that are afraid of being locked into a solution. EdgeX Foundry is unifying the community around a common IoT edge framework and an ecosystem of interoperable components.
"ZeroStack is a startup in Silicon Valley. We're solving a very interesting problem around bringing public cloud convenience with private cloud control for enterprises and mid-size companies," explained Kamesh Pemmaraju, VP of Product Management at ZeroStack, in this SYS-CON.tv interview at 21st Cloud Expo, held Oct 31 – Nov 2, 2017, at the Santa Clara Convention Center in Santa Clara, CA.
Large industrial manufacturing organizations are adopting the agile principles of cloud software companies. The industrial manufacturing development process has not scaled over time. Now that design CAD teams are geographically distributed, centralizing their work is key. With large multi-gigabyte projects, outdated tools have stifled industrial team agility, time-to-market milestones, and impacted P&L stakeholders.
"Akvelon is a software development company and we also provide consultancy services to folks who are looking to scale or accelerate their engineering roadmaps," explained Jeremiah Mothersell, Marketing Manager at Akvelon, in this SYS-CON.tv interview at 21st Cloud Expo, held Oct 31 – Nov 2, 2017, at the Santa Clara Convention Center in Santa Clara, CA.
Enterprises are adopting Kubernetes to accelerate the development and the delivery of cloud-native applications. However, sharing a Kubernetes cluster between members of the same team can be challenging. And, sharing clusters across multiple teams is even harder. Kubernetes offers several constructs to help implement segmentation and isolation. However, these primitives can be complex to understand and apply. As a result, it’s becoming common for enterprises to end up with several clusters. Thi...